E os aeroportos…e os voos neste pais…so pioram!

Como é possivel tambanho embuste? Ja convivemos com estes problemas ridiculos…inimaginaveis ha 6 meses e cada hora ocorre uma nova pane, um novo descontrole, um novo problema. Mas uma coisa permanece a mesma! Os mesmos dirigentes dos órgaos envolvidos e o mesmo Ministro da Defesa….É impressionante….E não querem que haja uma CPI sobre o assunto porque nao ha um fato gerador. Eu acho que deve haver um fato sim…pro traz disso tudo…de tanto absurdo e desrespeito..mas nao querem que o mesmo venha à tona

E nos continuamos, como Pedro Pedreiro, sofrendo…esperando …esperando  o trem…

Pedro Pedreiro

Chico Buarque
1965

Pedro pedreiro penseiro esperando o trem
Manhã, parece, carece de esperar também
Para o bem de quem tem bem
De quem não tem vintém
Pedro pedreiro fica assim pensando
Assim pensando o tempo passa
E a gente vai ficanto pra trás
Esperando, esperando, esperando
Esperando o sol
Esperando o trem
Esperando o aumento
Desde o ano passado
Para o mês que vem

Pedro pedreiro penseiro esperando o trem
Manhã, parece, carece de esperar também
Para o bem de quem tem bem
De quem não tem vintém
Pedro pedreiro espera o carnaval
E a sorte grande do bilhete pela federal
Todo mês
Esperando, esperando, esperando
Esperando o sol
Esperando o trem
Esperando o aumento
Para o mês que vem
Esperando a festa
Esperando a sorte
E a mulher de Pedro
Está esperando um filho
Pra esperar também

Pedro pedreiro penseiro esperando o trem
Manhã, parece, carece de esperar também
Para o bem de quem tem bem
De quem não tem vintém
Pedro pedreiro esta esperando a morte
Ou esperando o dia de voltar pro norte
Pedro nã sabe mas talvez no fundo
Espera alguma coisa coisa mais linda que o mundo
Maior do que o mar
Mas pra que sonhar
Se dá o desespero de esperar demais
Pedro pedreiro quer voltar atrás
Quer ser pedreiro pobre e nada mais
Sem ficar esperando, esperando, esperando
Esperando o sol
Esperando o trem
Esperando o aumento para o mês que vem
Esperando um filho pra esperar também,
Esperando a festa
Esperando a sorte
Esperando a morte
Esperando o norte
Esperando o dia de esperar ninguém
Esperando enfim nada mais além
Da esperança aflita, bendita, infinita
Do apito do trem

Pedro pedreiro pedreiro esperando
Pedro pedreiro pedreiro esperando
Pedro pedreiro pedreiro esperando o trem
Que já vem, que já vem, que já vem (etc.)

26/03/200713h11

Atrasos atingem 17,8% dos vôos; problemas persistem em Guarulhos

Publicidade

da Folha Online

Balanço da Infraero (estatal que administra os aeroportos) mostra que 138 dos 775 vôos programados para ocorrer da 0h às 12h desta segunda-feira no país sofreram atrasos de mais de uma hora (17,8%). Parte dos problemas é reflexo da movimentação no aeroporto internacional de São Paulo, em Cumbica, Guarulhos (região metropolitana), onde a neblina voltou a suspender as operações de pouso, pela manhã, pelo terceiro dia seguido.

Informações da Infraero no aeroporto mostram que, até as 10h, 63 vôos apresentavam atrasos, e 11 deles foram alternados, ou seja, seis pousaram no aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), e cinco no aeroporto Tom Jobim, no Rio. Atrasos de duas horas, em média, são registrados.

As operações de pouso ficaram suspensas das 5h25 às 7h40. Balanço divulgado por volta das 12h30 ainda mostrava atrasos em 38 vôos –11 chegadas e 27 partidas.

Os problemas em Guarulhos são reflexos de uma falha no equipamento chamado ILS, que opera em duas categorias, de acordo com a visibilidade. Com o aparelho inoperante, as operações em ocasiões de nevoeiro ficam interrompidas.

Atrasos

Os atrasos em Guarulhos causam reflexos em outros aeroportos do país.

O balanço da Infraero mostra as condições nos aeroportos de Brasília e de Congonhas (zona sul de São Paulo). Em Brasília, a espera atingiu 10 dos 57 vôos (17,5%), da 0h às 12h. Em Congonhas, 13 dos 119 vôos programados atrasaram (10,9%).

No domingo (25), durante todo o dia, a espera afetou 198 dos 1.620 vôos programados no país (12,2%), índice considerado normal.

Na semana passada, o mau tempo em São Paulo –que fechou Congonhas no dia 19– e até um cachorro na pista do aeroporto desencadearam um novo apagão aéreo, que afetou outros aeroportos no país. A segunda-feira (19) foi o dia mais difícil para os passageiros. Na ocasião, 29% dos vôos atrasaram, ao longo do dia.

Raio

O presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira, afirma que o equipamento foi danificado por um raio há cerca de duas semanas, mas consertados em seguida. No entanto, não foram liberados. “Eles só não estavam operando porque o avião laboratório da FAB [Força Aérea Brasileira] não pôde ser usado para testá-los”, disse.

“O avião da FAB que teve problemas durante o teste, e o equipamento não pode operar sem que ele seja avaliado”, afirmou Pereira.

No fim de semana, o ministro da Defesa, Waldir Pires, determinou à Infraero a abertura de uma sindicância para apurar a demora no conserto e na liberação do equipamento. Pires quer investigar e punir com a demissão os responsáveis pelos atrasos.

Segundo o presidente da Infraero, um relatório preliminar com informações sobre os atrasos em Guarulhos deve ser enviado nesta segunda ao ministro da Defesa. Uma sindicância foi aberta, e o relatório final deve ser entregue em três dias.

Leia mais

  • Infraero abre sindicância para apurar causas de fechamento de Cumbica
  • Fechamento de Cumbica provoca atraso de 23 horas em vôo internacional
  • Ministro pede investigação e punições por atrasos em Cumbica
  • Deputados voltam a abordar passageiros em Congonhas em favor da CPI
  • raivaNovas pesquisas de psicólogos americanos trazem à tona uma revelação: Ter um ataque de raiva não acalma nem resolve nada. Fico com raiva só de pensar quanto tempo e dinheiro gastaram para chegar a esta brilhante conclusão.

    Fico pensando no governos utilizando essas fantásticas descobertas para acalmar seus cidadãos….Só quero ver se vai funcionar junto aos soldados que estão no Iraque!

    Quer dizer que agora não podemos mais nem ter raiva!

    ASSIM NÃO DÁ!!!

    01/03/2007 – 16h06 – UOL

    Descarregar a raiva não acalma e até faz mal, mostram estudos

    NOVA YORK (Reuters) – Descarregar a raiva em alguma coisa pode parecer uma boa forma de acabar com o sentimento negativo, mas pesquisadores norte-americanos disseram que o método é ineficaz e pode até ser prejudicial.

    Eles revisaram estudos prévios sobre o efeito de desabafar no caso de fortes emoções e todos eles mostraram que isso não reduz as tendências agressivas, e na verdade até as agrava.

    Em vez de socar travesseiros, gritar ou jogar objetos inanimados para longe, os pesquisadores sugeriram respirar fundo e tentar relaxar para dissipar a raiva.

    “Se descarregar realmente ‘tirasse’ a raiva da pessoa, ela deveria resultar na redução tanto da raiva quanto da agressão. Infelizmente para a teoria da catarse, os resultados mostraram o efeito contrário”, disse Jeffrey Lohr, professor de psicologia da Escola de Artes e Ciências J. William Fulbright, da Universidade de Arkansas.

    Quem tenta liberar a raiva fazendo exercícios ou descontando na pessoa que a causou acaba ficando mais ressentido, e não menos, segundo os estudos.

    “O que as pessoas não percebem é que a raiva teria se dissipado se elas não tivessem descarregado. Além disso, ela teria se dissipado mais rápido se elas tivessem em vez disso tentado controlá-la”, afirmaram Lorhn e sua equipe numa declaração.

    Os resultados da revisão foram publicados no livro “The Pseudopsychology of Venting in the Treatment of Anger: Implications and Alternatives for Mental Health Practice” (A Pseudopsicologia de Descarregar no Tratamento da Raiva: Implicações e Alternativas para a Prática da Saúde Mental).

    Os autores disseram que há resultados animadores na terapia cognitivo-comportamental, que se baseia no fato de que os pensamentos causam os sentimentos e o comportamento.

    Para os que querem fugir do pagode do carnaval, ai vao dois belos clips, ambos com Duo Assad aos violoes e Yo-Yo Má ao Cello, para a TV Japonesa.

    O primeiro é da música Menino:

    E o segundo é um tango, chamado Zita.

    Este clip da musica “Mao da Limpeza”, com Gil e Chico, é fantastico. Que bela maneira para discutir o preconceito que ainda continua tão grande no nosso País!

    Nesta reportagem da BBC Brasil voce pode ver uma garota que soluca 55 vezes por minuto ha mais de 3 semanas. E nenhum medico consegue resolver…

    Depois dizem que a medicina esta muito avancada. Assim realmente nao da !

    Ao que parece a Midia finalmente decidiu abrir espaço em sua programação para falar sobre o aquecimento global. Desde a divulgação do relatório sobre mudanças climáticas em Paris, há 15 dias, diversas materias e programas vem abordando o tema. Não há dúvidas de que a maior parte das matérias são superficiais, mas pode-se tambem encontrar alguns com qualidade. De todo modo parece que finalmente o tema entrou de vez na agenda e na cabeca das pessoas, o que é o primeiro passo para se realizar algo.

    Ontem por coincidência, dois programas abordaram a questão ambiental levando em conta a situação atual do Parque Nacional do Xingú.Povo Kurikuro fotografado por Tatiana Cardeal

    O primeiro foi um “Conexao Roberto Davilla”, na TV Cultura, tendo Washington Novaes como entrevistado. Programa excelente abordando a questão ambiental e a sua experiência no parque nacional do Xingu, há mais de 20 anos. Lembrou Pierre Clastres, que dizia que geralmente nos referimos aos índios pelo “negativo”, enfatizando o que eles não possuem , como roupas, TV ou automóveis, quando na realidade, o importante seria compreender o que eles tem que nós, ocidentais, não temos.

    Para Clastres, os indios tem pelo menos 3 coisas importantes que não existem na nossa sociedade:

    1. Autonomia- marcada pela capacidade de subsistência. Em uma aldeia há uma divisão entre os que pescam, cacam, cozinham, constroem e curam, permitindo que o grupo viva autonomamente, sem precisar de recursos externos.
    2. Independência- Os indígenas não se subordinam aos outros indígenas. O cacique o o pajé são detentores de um saber acumulado que pode ser utilizado em aconselhamentos e moderação de conflitos
    3. Conhecimento compartilhado – O conhecimento é transmitido oralmente e compartilhado por todos, servindo a toda a comunidade.

    Estas três características desapareceram da sociedade ocidental há muito tempo, mas são fundamentos próximos aos que buscamos quando falamos em sociedade em rede, trabalho colaboratibo e conhecimento livre. Talvez seja um bom momento para reler o clássico A Sociedade Contra o Estado, de Clastres.

    O segundo programa foi um especial do SBT, realizado basicamente por uma reporter que pasosu menos de 1 semana no parque. O aprentador do programa fazia um breve resumo do que seria mostrado em cada bloco, no estilo Globo Reporter), e se referia à reporter como “A Reporter”, falando frases como “Agora, a Reporter visitará a aldeia XYZ…em seguida a reporter presenciará uma cerimonia do Quarup”, e por ai a fora.

    Em um dos blocos “a reporter” (não sei seu nome, pois nao disseram nem apareceu nas legendas) pergunta ao Cacique se eles utilizam sabonete ou shampoo, e ele diz que não, que indios não precisam destas coisas.

    Em um segundo momento, “a reporter” comenta que os Indigenas da aldeia utilizam o rio para tomar água, tomar banho e lavar roupas. Em seguida a moça se dirige ao Rio para tomar banho com os indígenas e leva seu xampoo e “ensina” as indigenas a utilizar o produto , como se o mesmo fosse necessário ou indispensável para aquela população. Ao que parece a moça nem chegou a pensar que o Xampoo não é biodegradável e portanto iria poluir as águas do Rio em que outros indígenas, mais a frente, irão beber água.

    Será que a repórter está acostumada a beber a água de seu próprio banho ? Será que ela, o apresentador, a equipe de produção e todos os demais que trabalham na “Rede SBT” não se dão conta que este tipo de comportamento apenas prejudica o meio ambiente ao invés de contribuir para o fortalecimento dos povos indígenas e de sua cultura ? Se a gafe foi cometida no local, os editores deveriam, ao menos evitar um processo de “deseducação” em massa através da Televisão.

    Em Tempo: Tatiana Cardeal, que tirou a foto dos Kurikuro durante um Quarup, tem um excelente blog, o Brazil> Social Photography, assim como varios alguns de fotos no Flicker, que valem a visita!

    Alguns acompanharam os problemas que tive com um sofa comprado ha pouco mais de um ano. As idas e vindas e brigas com uma loja “conceituada, de design”, como gostam de qualificar alguns. A loja é a Arredamento e um pouco da novela com o sofa esta documentado em alguns posts neste blog.

    Um dia desses recebi o comentario de uma leitora dizendo que a loja havia sido fechada….e não dei bola. E não é que era a mais pura verdade? Tentamos ligar para a loja para fazer uma nova reclamação (precisariam trocar o sofá novamente) e o segurança atende…e diz que a loja fechou e comecamos o seguinte dialogo:

    - A Loja fechou? Mas e as outras?

    - Tambem, esta aqui foi a ultima a fechar.

    - E a Fabrica?

    - Tambem

    - Como fazemos para falar com os responsaveis pois estamos na garantia e temos uma reclamacao a fazer.

    - A moco, nao sei nao. Nos chegamos aqui ha 2 semanas e a loja estava fechada. Fomos todos demitidos, sumariamente, e nao nos explicaram nada. Muita gente liga e nao sabemos o que dizer. Nao temos qualquer informacao sobre nossa situacao nem sobre o que fazer com os clientes.

    Vejam so a situacao. Temos um sofa que esta com problemas estruturais e ainda no prazo da garantia, mas como fazer valer nosso direito se os responsaveis pela empresa desapareceram? Poderiamos ir ao Procon, ou IDEC ou sei la, mas quais as reais possibilidades de sermos resarcidos ? Quase nulas. Basta ver que mesmo depois de 10 anos ainda ha moradores do Palace II que nao foram indenizados, assim como vitimas do acidente da TAM em SP.

    Dizem que um dos (inumeros) problemas do Brasil é que a justica é lenta….Acho que é lenta, incompetente e injusta….e alem do mais temos uma ministra com um nome de romance policial. Hellen Grace. Parece piada, mas nao eh…

    Seguir

    Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.