Car@s,

A cara de pau das autoridades governamentais, o desrespeito dos que trabalham no controle de voo e a decadencia das empresas aereas chegaram ao impensavel.

Domingo (dia 12), programei um voo de SP a Recife, para chegar aqui e trabalhar, muito, na organizacao de um evento para 25 pessoas, de diferentes regioes do nordeste. Pretendia chegar aqui ao 1/2 dia, almocar, analisar a arrumacao da sala do hotel, disctir alguns detalhes com nosso apoio local e trabalhar, trabalhar muito, na preparacao de materiais de capacitacao que utilizaria em toda a semana, mas desde a segunda.

Imaginei que a crise do transpote, o APAGAO do transporte aereo, ja tinha passado, e cheguei no aeropoto às 10hs. Crente de chegaria em Recife ao 1/2 dia (em funcao do horario de verao, algo sem o menor sentido, que sabiamente é recusado pelos nordestinos, que apesar de estarem mais a oriente do que nos do SE, onde portanto o sol nasce antes, nao caem neste conto da carochina de que é algo que economica energia eletrica).

A minha ideia era chegar na hora do almoco, mas que nada. O caos no aeropoto era grande. Muitos voos atrasados, e desinformacao total, principalmente por parte das cias aeras. Ninguem dizia o que estava aocntecendo, mas por celular descobri que novamente enfrentavamos um “legitimo movimento grevista” que nos impede de exercer o direito de ir e vir……

Infelizente em meio a um evento de capacitacao nao tenho o tempo necessario para narrar a epopeia desta viagem de SP a Recife, que levou 10 horas, ou seja, 7 horas de atraso!!!

Teria muito a dizer sobre o caso, mas acho que a manchete e a negacao de qualquer problema por parte das autoridades e dos controladores de voo revelam o pais em que vivemos: cada um fala o que quer e phoda-se…….

Nega-se o mensalao, nega-se a corrupcao, nega-se a “disfuncao” do sistema de controle aereo…e foda-se…afinal aqui ninguem deve explicacoes a niguem……

Como é possivel depois d etantos atrasos, relatados em inumeras materias na TV e na imprensa, as autoridades dizerem que nao ha nada de errado e, ao mesmo tempo, o proprio sindicato da categoria negar qualquer operacao tartaruga? Se a propria categoria nao consegue explicitar suas demandas e tornar publicas suas exigencias, tenho duvidas sobre a importancia de considera-las seriamente!

E nos, enquanto isso, nos fudemos..

por muito tempo! Basta ver um post de 1 mes depois sobre a saida do brasil

Assim nao da!

13/11/200621h30

Atrasos atingem 629 vôos programados para esta segunda no país

Publicidade

da Folha Online

Dos 1.487 vôos programados para esta segunda-feira na país, 629 sofreram atrasos para decolar ou pousar, segundo a Infraero (estatal que administra os aeroportos do país). O índice representa 42,3% dos vôos.

A Aeronáutica nega que os problemas tenham sido causados por nova operação-padrão –aumento no intervalo entre os vôos e redução no número de vôos por profissional– realizada pelos controladores de tráfego aéreo.

Hoje, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, realizou uma reunião com representantes da Infraero, da Anac (Agência Nacional da Aviação Civil), da Aeronáutica e do Ministério da Defesa. Após o encontro, a Casa Civil prometeu que “medidas serão adotadas” para minimizar os problemas.

Controladores

No fim de semana, atrasos foram atribuídos à falta de operadores. O setor, já desfalcado com o afastamento de controladores após a queda do Boeing da Gol, ficou sem outros dois profissionais no sábado –um teve um problema familiar e outro, quebrou a perna, de acordo com Wellington Rodrigues, presidente da ABCTA (Associação Brasileira dos Controladores de Tráfego Aéreo.

Nesta segunda, o Centro de Comunicação Social da Aeronáutica negou que os problemas ainda sejam causados pelo desfalque e admitiu que, no fim de semana, houve gerenciamento do tráfego aéreo –com maior espaçamento entre as aeronaves. O motivo, porém, não foi confirmado.

A Aeronáutica informou que, nesta segunda, não há problemas de fluxo e todos os consoles operam conforme a necessidade do sistema, com o número necessário de controladores.

Crise

No final de outubro, os controladores de tráfego aéreo decidiram, de forma isolada, iniciar a chamada operação-padrão, com maior espaçamento entre as decolagens. O objetivo seria garantir a segurança dos vôos. As normas internacionais determinam que cada operador deve controlar, no máximo, 14 aeronaves no mesmo instante.

O resultado da operação-padrão foi uma seqüência de atrasos e cancelamentos de vôos. No dia 2, feriado de Finados, o tráfego aéreo entrou em colapso. Milhares de passageiros sofreram com esperas de até 20 horas e os prejuízos chegaram à rede hoteleira. Na ocasião, o governo acionou uma operação emergencial para pôr fim aos atrasos, o que desagradou muitos controladores.

A falta de operadores em Brasília foi agravada após a queda do Boeing da Gol, em 29 de setembro, que resultou na morte dos 154 ocupantes. Após o acidente, ocorrido em Mato Grosso, um grupo de controladores foi afastado.

A reportagem apurou que alguns controladores estão insatisfeitos com as negociações feitas com o governo federal. O fato indica que a categoria poderia ter aumentado o intervalo entre as aeronaves nos horários de pico, desde quinta, como uma espécie de operação-padrão, em menor escala que a registrada no início do mês, como forma de pressionar o governo. A Aeronáutica nega.

Com Agência Brasil e Folha de S.Paulo